quinta, 01 de dezembro de 2022
SIGA-NOS

66.280 mulheres descobrem o câncer de mama por ano; Camila pede informações sobre mamografias



Publicado em quinta-feira, outubro 6, 2022 · Comentar 

Este ano, 66.280 mulheres vão descobrir que têm câncer de mama, segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA). Este tipo de doença é também a primeira causa de morte por câncer em mulheres no Brasil. Apesar da gravidade e a importância do diagnóstico precoce, durante a pandemia da covid-19 houve uma queda de 42% no número de mamografias. A deputada estadual Camila Toscano (PSDB) encaminhou pedido de informação ao Governo do Estado solicitando dados sobre o número de mamografias realizadas nos últimos anos. Ela também questionou o Executivo sobre o que vem sendo feito para reverter o grave problema das mulheres que deixaram de fazer o exame decisivo para diagnóstico precoce e cura da doença. Também apresentou na Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB) propositura para que seja criado um programa emergencial para realização de mamografias, tanto no viés da conscientização das mulheres acima de 40 anos, para que procurem os meios existentes e disponíveis na rede estadual de saúde, quanto na realização da demanda espontânea represada. A Sociedade Brasileira de Mastologista (SBM) alerta sobre o impacto que o isolamento social causou no rastreamento periódico das mulheres bem como no tratamento das pacientes de câncer de mama. Estudo da entidade aponta que o número de mamografias realizadas na pandemia foi 42% menor e que ainda não houve recuperação para os níveis anteriores à pandemia. “Outro dado que preocupa é que 47% das brasileiras deixaram de ir ao ginecologista ou ao mastologista, segundo levantamento realizado pela Inteligência em Pesquisa e Consultoria (Ipec). Então, estamos pedindo informações ao Governo e cobrando ações efetivas para salvar vidas de mulheres, pois se detectado no início as chances de cura do câncer de mama são de 90%”, disse. De acordo com a parlamentar, são frequentes os casos em que as mulheres têm que esperar meses por um exame que pode custar sua vida. “Precisamos repensar a oferta de saúde aos paraibanos para garantir a manutenção da vida”, destacou. Mais ações – Para debater problemas e formular políticas públicas para pessoas com câncer, Camila Toscano também apresentou na Assembleia Legislativa o pedido para criação da Frente Parlamentar de Combate ao Câncer. A ideia é também discutir a temática e propor soluções referentes a tratamento e prevenção. A deputada ainda pediu informações à Secretaria Estadual de Saúde sobre o funcionamento de mamógrafos na Paraíba. A parlamentar destaca que no interior do Estado as mulheres têm dificuldades de realizar o exame, pois muitos equipamentos estão quebrados.

Da Redação 
Com Assessoria 

Comentários


SIGA-NOS

Todos os direitos reservados - Proibida reprodução total ou parcial deste site sem aviso prévio

Copyright © 2017 - ExpressoPB - CNPJ: 10.962.007/0001-48