sexta, 21 de janeiro de 2022
SIGA-NOS

Pressionada por bolsonaristas, Record decide afastar Paulo Henrique Amorim do Domingo Espetacular



Publicado em terça-feira, junho 25, 2019 · Comentar 

Apresentador do “Domingo Espetacular”, da Record, há 14 anos ininterruptos, Paulo Henrique Amorim deixará a apresentação da revista eletrônica. Já no dia 30 de junho, o profissional não estará mais presente em um dos programas de maior prestígio da emissora dos bispos.

De acordo com a própria assessoria do canal, o jornalista estará disponível para novos projetos na casa e será substituído por Patrícia Costa e Eduardo Ribeiro. A empresa anunciou uma reformulação na área do jornalismo e já mexeu em diversas cadeiras importantes dentro do canal. O veterano tem contrato garantido ainda até 2021.

Apesar do que foi informado pelos representantes da Record, Paulo Henrique Amorim pode ter sido afastado por um motivo mais complexo do que uma simples mudança na grade. De acordo com o Notícias da TV, o envolvimento do jornalista na política e suas críticas ferrenhas contra o governo de Jair Bolsonaro podem ter sido decisivos para que os diretores tomassem a decisão.

Participante do blog Conversa Afiada, o jornalista já se mostrou por diversas vezes a favor da esquerda, em um momento em que a polarização política estava cada vez mais evidente. Ele teve a cabeça pedida dentro da emissora, mas pesquisas feitas pela empresa revelaram que a participação do profissional no “Domingo Espetacular” era essencial para a credibilidade do programa.

Nos últimos meses a pressão ficou maior por conta do tom crítico de Amorim ao governo Jair Bolsonaro (PSL).

Veja tambémPatrocinador do SBT, dono da Havan pede demissão de Sheherazade, e jornalista promete processá-lo

Recentemente, houve um boato de que o general Augusto Heleno, ministro do Gabinete de Segurança Institucional pediu a prisão de Paulo Henrique Amorim, que fez uma piada em suas redes sociais sobre as escolhas de Jair Bolsonaro em relação ao futebol. O apresentador debochou do fato de o político ter mudado de time algumas vezes e escreveu que ele será Flamengo “até morrer… breve”. Isso foi o suficiente para que interpretassem que o veterano deseja a morte do presidente, mas isso tudo não passou de fake news.

 

Da Redação 

Com Tv Foco

 

Comentários


SIGA-NOS

Todos os direitos reservados - Proibida reprodução total ou parcial deste site sem aviso prévio

Copyright © 2017 - ExpressoPB - CNPJ: 10.962.007/0001-48