sábado, 18 de agosto de 2018
SIGA-NOS

Mais de 25% dos brasileiros vive com menos de R$387 por mês



Publicado em sábado, dezembro 16, 2017 · Comentar 

SAO PAULO, SP, BRASIL, 03-04-2008, DESIGUALDADE SOCIAL – Vista da favela de Paraisopolis, na zona sul de Sao Paulo, com predios de alto padrao do bairro do Morumbi ao fundo. (Foto: Apu Gomes)

O Brasil encerrou o ano de 2016 com 25,4% da população brasileira na linha de pobreza e com uma renda familiar equivalente a R$ 387,07 –ou US$ 5,5 por dia, valor adotado pelo Banco Mundial para definir se uma pessoa é pobre.

Os dados foram divulgados nesta 6ª feira pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Fazem parte da pesquisa SIS 2017 (Síntese de Indicadores Sociais 2017), que faz uma análise estrutural dos resultados da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) Contínua.

A pesquisa mostra que o maior índice de pobreza se dá na Região Nordeste do país, onde 43,5% da população se enquadram nessa situação e, a menor, no Sul: 12,3%.

A situação é ainda mais grave se levadas em conta as estatísticas do IBGE envolvendo crianças de 0 a 14 anos de idade. No país, 42% das crianças nesta faixa etária se enquadram nestas condições e sobrevivem com apenas US$ 5,5 por dia.

POBREZA POR REGIÕES

De acordo com a pesquisa, as regiões onde há 1 maior nível de pobreza são o Nordeste e o Norte, com 43,5% e 43,1% da população em situação de pobreza, respetivamente.

As demais regiões registraram uma taxa de pobreza abaixo da média pontuada no país, com o menor índice registrado na região Sul, 12,3%, seguido pelo Sudeste (15,9%) e Centro-Oeste (17%).

Em todos os casos, a pobreza tem maior incidência nos domicílios do interior do país do que nas capitais, o que está alinhado com a realidade global, onde 80% da pobreza se concentram em áreas rurais.

DESIGUALDADE

No que diz respeito à distribuição de renda no país, o indicador comprovou, mais uma vez, que o Brasil continua 1 país de alta desigualdade de renda, inclusive, quando comparado a outras nações da América Latina, região onde a desigualdade é mais acentuada.

Segundo o estudo, em 2017 as taxas de desocupação da população preta ou parda foram superiores às da população branca em todos os níveis de instrução. Na categoria ensino fundamental completo ou médio incompleto, por exemplo, a taxa de desocupação dos trabalhadores pretos ou pardos era de 18,1%, bem superior que o percentual dos brancos: 12,1%.

QUASE METADE DOS JOVENS ESTÃO EM SITUAÇÃO DE POBREZA

O Brasil tinha 42,1 milhões de indivíduos de zero a 14 anos de idade em 2016. Desses, 42,4% viviam em situação de pobreza (renda domiciliar per capita diária inferior a US$ 5,5 ou R$ 387,07 por mês).

De acordo com a pesquisa, considerando os tipos de arranjo familiar, a chance de 1 casal sem filho ser pobre era de 11,6%. Quando o casal tinha filho, quase triplicava, para 29,5%. Das 10,7 milhões de pessoas que viviam sozinhas, apenas 9,3% estavam abaixo da linha de pobreza, considerado o critério de renda domiciliar de US$ 5,5 diários por pessoa.

Da Redação 
Com Blog do Ikeda/Por Douglas Rodrigues

Comentários


SIGA-NOS

Todos os direitos reservados - Proibida reprodução total ou parcial deste site sem aviso prévio

Copyright © 2017 - ExpressoPB - CNPJ: 10.962.007/0001-48