sexta, 20 de julho de 2018
SIGA-NOS

Jovem é atacado por homem armado com suposta seringa contaminada em João Pessoa



Publicado em quarta-feira, maio 25, 2016 · Comentar 

1464097809447-seringaUm faturista de um hospital da Capital chegava para mais um dia de trabalho quando decidiu parar em uma padaria próxima para tomar café da manhã. Até então, o dia começava normal, não fosse por um esbarrão com um desconhecido na rua. Ao entrar na padaria, o jovem sentiu seu braço levemente dolorido e quando foi verificar percebeu que havia sido picado.

Tratado por muitos como lenda urbana, o temor da seringa contaminada volta à cidade de João Pessoa. “Era seringa porque eu sei exatamente a sensação de uma agulha. Descartáveis. Se fosse outra, entraria rasgando, essa foi macio”, afirmou. O fato aconteceu na manhã desta segunda-feira (23) e a vítima relatou que o agressor era um homem magro, com aproximadamente 1,70m, com uma camisa com imagem de surf. Não houve anuncio de nada. Ele contou que o agressor corria pela rua, quando esbarrou em seu braço esquerdo e continuou o caminho.

“Fiquei branco, suando, a pressão baixou. Cai num choro descontrolado. Respirei fundo e fui fazer o que devia ser feito”, contou a vítima.

O jovem foi ao Hospital Clementino Fraga para o pronto atendimento. O resultado dos primeiros exames foi negativo: os testes rápidos para hepatites. Agora a aflição ainda continua até o próximo dia 12 de julho que é quando sai a resposta sobre HIV/AIDS. Enquanto isso, o faturista sofre os efeitos colaterais do coquetel de medicamentos para a profilaxia de possíveis doenças.

“Até lá [dia do resultado do exame HIV/AIDS] a apreensão ficará e estarei pedindo aos céus, a terra e toda divindade que me guie, me guarde e me preserve. Se já tínhamos que ter cuidado antes, hoje temos muito mais”, disse.

Assim como muitos, o faturista só tinha ouvido falar de crimes desse tipo pela internet. O corpo de delito ainda não foi realizado, apenas um Boletim de Ocorrência.

O assessor da Polícia Militar, Major Lucas, informou que o crime deve ser enquadrado como lesão corporal grave, podendo ser qualificada, caso seja comprovada que a seringa estava infectada.

De acordo com o assessor, na maioria dos casos relatados, não é possível provar que o ferimento foi feito por um objeto infectado.

Ainda segundo o Major, a pessoa que passa por esse tipo de violação deve procurar a delegacia mais próxima, para registrar um Boletim de Ocorrências com o máximo de informações sobre o agressor.

Apesar de todo medo, o jovem destacou o atendimento do Hospital Clementino Fraga: “foi ótimo, pelo menos comigo. Psicólogas o tempo todo conversando e preparando a pessoa. A médica super atenciosa”, afirmou.

Da Redação
Com Paraíba.com.br

Comentários


SIGA-NOS

Todos os direitos reservados - Proibida reprodução total ou parcial deste site sem aviso prévio

Copyright © 2017 - ExpressoPB - CNPJ: 10.962.007/0001-48