quinta, 21 de junho de 2018
SIGA-NOS

O misterioso sumiço do Cabedelo



Publicado em sábado, abril 16, 2016 · Comentar 

Sabe-se que foram trinta e cinco os navios brasileiros atacados e desaparecidos nas águas do Atlântico, do Mediterrâneo e do Índico, desde a costa dos Estados Unidos ao extremo sul da África, durante os anos de 1941 a 1944. Esses incidentes causaram a morte de mais de mil pessoas e obrigaram a entrada do Brasil no conflito, rompendo relações com os países do Eixo a partir de janeiro de 1942. Se a ofensiva de submarinos alemães e italianos aos nossos vasos cargueiros, já ocorria antes de Getúlio Vargas  declarar o Brasil em estado de  guerra, a partir de en tão, os ataques passaram a ser constantes e persistentes. Antes, os alvos foram os mercantes que transitavam pelo Caribe ou pela costa leste dos EE.UU, depois, os encouraçados inimigos chegaram às nossas costas  e, entre Recife e Salvador, acertaram, em dois dias, seis dos nossos barcos de carga, causando mais de seiscentas mortes. A maioria das embarcações pertencia ao Lloyd Brasileiro, mas outras pequenas companhias também sofreram perdas irreparáveis em vidas e danos materiais.

Entre os navios afundados durante o segundo conflito mundial, o navio mercante  Cabedelo, desapareceu sem deixar vestígios, nas águas do Atlântico, acredita-se, à leste das Pequenas Antilhas. Estava com 54 tripulantes a bordo, sob o comando do capitão Pedro Veloso da Silveira. Esse navio, por ironia, fora fabricado em estaleiro alemão e ganhara inicialmente o nome de Prússia. Movido a vapor e construído em aço, tinha cento e onze metros de comprimento e quinze e meio de largura, com um calado de qu ase sete metros.  Podia alcançar uma velocidade de doze nós, o que daria cerca de vinte e dois quilômetros por hora. Alvo fácil, sem dúvida. Na Primeira Grande  Guerra, estava a serviço da Marinha Alemã. Quando da entrada do Brasil na conflagração, em junho de 1917,  foi confiscado pelo governo brasileiro e incorporado à nossa frota, com o nome de Cabedelo. Estava retido desde 1915 no Porto de Santos.

O Cabedelo zarpou de Filadélfia, nos EE.UU, em 14 de fevereiro de 1942, em direção às Antilhas mas como destino final o Rio de Janeiro. Naquela ocasião, os navios que trafegavam pela chamada Zona de Segurança Pan-Americana – costa leste dos EE.UU, ainda não eram controlados nem acompanhados para efeito de proteção dos ataques inimigos. Tem-se como aquela, a data em que o Cabedelo desapareceu nos mares, sem deixar rastro. Para pesquisadores citados por Wikipédia, teria sido em 25 de fevereiro a data do ataque ao barco brasileiro, por obra e graça do submari no italiano Da Vinci. A afirmativa, porém, é controversa. Primeiro,  diz-se que o afundamento do Cabedelo não foi encontrado nos registros italianos e, depois, pela data provável do ataque, já havendo navegado onze dias desde a partida, estaria fora na área de ação do Da Vinci.

O afundamento do Cabedelo ainda foi atribuído a outro submarino italiano, o Torelli, que no mesmo período atacara dois outros mercantes à altura das Guianas. Nenhuma das hipóteses levantadas foi amparada em provas concretas. A ausência de sobreviventes, fato inusitado até então, entre nós, levou-se à tese de que os tripulantes teriam sido metralhados pelo inimigo quando já estariam a bordo de escaleres. Todavia, nenhum escaler, mesmo vazio, foi encontrado. E o mistério  permanece até os dias  atuais.

Ramalho Leite
Jornalista/Ex-Deputado – Colunista

Comentários


SIGA-NOS

Todos os direitos reservados - Proibida reprodução total ou parcial deste site sem aviso prévio

Copyright © 2017 - ExpressoPB - CNPJ: 10.962.007/0001-48