domingo, 17 de outubro de 2021
SIGA-NOS

Morte do sogro, sequelas da Covid e casos nos familiares impediram retorno ao trabalho, explica ex-vereadora mariense aos prantos



Publicado em domingo, outubro 10, 2021 · Comentar 

Acusada de ser funcionária fantasma do munícipio de Mari, assim como foi sua colega Neta Dionízio, a ex-vereadora Marilene Rufino foi aos prantos na manhã da última sexta-feira (08) nos microfones da Rádio Araçá FM ao relembrar os momentos difíceis que vem enfrentando com sequelas da Covid-19, tendo perdido o sogro para a doença e acompanhado quase todos os seus familiares atingidos pela doença.

Leia também: Acusada de ser fantasma na PMM, Neta do Sindicato desabafa: “Mari me conhece, não sou vagabunda”

Marilene lamentou que exista uma estratégia entre ativistas políticos, a oposição e setores do próprio grupo situacionista para desmoralizar a gestão de saúde, mais precisamente a secretária Emanuelle Chaves e disse acreditar que essa denuncia contra ela também tem o objetivo de atingir a secretária.

Ao justificar sua ausência da secretaria a qual é lotada por alguns meses, Marilene foi aos prantos pois teve que tornar público assuntos de sua intimidade para desfazer a notícia falsa de que ela estaria recebendo sem trabalhar.

A morte do sogro, a sua saúde comprometida por sequelas da Covid, a mãe, o marido e duas irmã com a doença e o estado psicológico abalado deixaram a ex-vereadora sem condições de dar expediente por um período, mas segundo ela, desde agosto que presta serviço na Secretaria de Saúde.

Com relação a denuncia de um ativista político de que ela teria cobrado cerca de R$ 700 por um exame, Marilene explicou como se deu o caso, disse que tratava-se de um exame particular que poderia até custar R$ 1.500, mas que ela se propôs ajudar através de suas amizades e baratear o custo. Ainda assim, Marilene disse que o denunciante se quer retornou contato para realizar o exame e que tudo isso não passa de denuncismo.

“Desafio ele a provar que fez o exame, que eu levei a mãe dele para fazer qualquer tipo de consulta”, disse a ex-vereadora.

Por fim, Marilene disse lamentar essas atitudes que em nada contribui para a melhoria das coisas e que antes de se publicar uma denuncia contra alguém procure saber das razões de determinada situação.

Da Redação 
Do ExpressoPB 

Comentários


SIGA-NOS

Todos os direitos reservados - Proibida reprodução total ou parcial deste site sem aviso prévio

Copyright © 2017 - ExpressoPB - CNPJ: 10.962.007/0001-48