quarta, 01 de fevereiro de 2023
SIGA-NOS

Jogador do Irã é condenado à morte por protestar a favor das mulheres



Publicado em quarta-feira, dezembro 14, 2022 · Comentar 

O jogador Amir Nasr-Azadani, de 26 anos, foi condenado à morte por participar de um protesto em favor das mulheres do país. Azadani foi acusado de ter sido um dos causadores da morte de três policiais na manifestação realizada no dia 25 de novembro. Ele foi preso dois dias depois do protesto. Além disso, o jogador é acusado de participar de um “grupo armado e organizado que tem a intenção de atacar a República Islâmica do Irã”. Via Yahoo

Amir Nasr-Azadani atua pelo Iranjavan FC, do Irã, e iniciou a carreira profissional em 2015. Esse é o quarto clube do jogador.

A divulgação da condenação à morte de Azadani levou uma série de personalidades e entidades a protestarem contra a medida. Ali Karimi, ex-jogador do Bayern de Munique e da seleção iraniana, pediu a liberação de Azadani.

O FIFPro, sindicato que reúne os jogadores profissionais de futebol, emitiu um comunicado informando que a entidade está “chocada” com a decisão da justiça iraniana.

“A FIFPRO está chocada e enojada com relatos de que o jogador de futebol profissional Amir Nasr-Azadani pode ser executado no Irã depois de fazer campanha pelos direitos das mulheres e pela liberdade básica em seu país. Nos solidarizamos com Amir e pedimos a remoção imediata de sua punição”, escreveu o sindicato no Twitter.

Desde setembro de 2022 o Irã está sendo sacudido por uma forte onda de protestos que começou após a morte de Mahsa Amini, uma jovem de 22 anos. Ela foi detida em Teerã, capital do país, por não estar usando o hijab, lenço tipicamente islâmico que cobre a cabeça das mulheres. A Polícia do país disse que a estudante sofreu um infarto. No entanto, há denúncias de que ela foi agredida até a morte pelos policiais.

Diante do aumento das manifestações, o governo iraniano autorizou que os manifestantes sejam condenados à pena de morte. A primeira condenação foi em 14 de novembro. O acusado não teve o nome divulgado.

Durante a Copa do Mundo, parte da torcida iraniana usou da exposição do torneio para poder manifestar e mostrar os abusos que ocorrem no país. Mulheres andavam pelo Catar usando camisas com os dizeres: “Liberdade para vidas femininas”. Além disso, outras usavam vestimentas com o nome de Mahsa Amini.

Da Redação 
Com PN

Comentários


SIGA-NOS

Todos os direitos reservados - Proibida reprodução total ou parcial deste site sem aviso prévio

Copyright © 2017 - ExpressoPB - CNPJ: 10.962.007/0001-48