terça, 29 de novembro de 2022
SIGA-NOS

Depois de prefeito de Pombal (PB), prefeito de Chapecó (SC) tenta obrigar servidores a votar em Bolsonaro



Publicado em sábado, outubro 22, 2022 · Comentar 

A manhã deste sábado (22), oito dias antes das eleições gerais para a Presidência da República “pipocam” as denúncias de coação e compra de votos em favor do Presidente Bolsonaro.

Em Pombal, na Paraíba, gravações capturadas pelos eleitores dão conta de que cabos eleitorais do prefeito Dr. Verissinho ameaçam cortar benefícios até de cestas básicas caso os eleitores não votem no candidato ao governo do PSDB, Pedro Cunha Lima e no Presidente Bolsonaro. 

A denúncia com áudio das gravações ameaçadoras foram publicadas no instragram da deputada estadual Pollyana Dutra (PSB), ex-prefeita da cidade de Pombal.

Até o fechamento da matéria o Ministério Público da Paraíba não havia se pronunciado sobre o assunto.

Em Santa Catarina MPT abre procedimento 

O Ministério Público do Trabalho em Santa Catarina recomendou ao prefeito de Chapecó, João Rodrigues, que ele imediatamente se abstenha de orientar empresários a “sugerir, recomendar, influenciar ou induzir” trabalhadores a votarem em quaisquer candidatos, depois que ele instou líderes empresariais a orientar colaboradores a votar no presidente e candidato à reeleição Jair Bolsonaro (PL), segundo informações da agência Reuters. 

A recomendação, feita nesta sexta-feira, é assinada pela procuradora Mariana Casagranda e faz parte de um procedimento investigatório instaurado na véspera em face do prefeito de Chapecó, que é um importante polo de frigoríficos.

A recomendação cita um vídeo em que Rodrigues insta líderes empresariais da cidade a orientar colaboradores a votar em Bolsonaro. “Reúnam os seus colaboradores e orientem eles. O Brasil não pode virar uma Venezuela. E só não vai virar se Bolsonaro continuar presidente do Brasil”, disse Rodrigues no vídeo visto pela Reuters, dirigindo-se à comunidade empresarial local, declarando em seguida o seu nome e cargo.

O prefeito afirmou nesta sexta-feira que o vídeo foi gravado no início desta semana num hotel em Chapecó, onde ele se encontrou com cerca de 70 empresários. Ele nega ter infringido qualquer lei.

Veja matéria completa aqui.

Da Redação 
Do ExpressoPB

Comentários


SIGA-NOS

Todos os direitos reservados - Proibida reprodução total ou parcial deste site sem aviso prévio

Copyright © 2017 - ExpressoPB - CNPJ: 10.962.007/0001-48