quarta, 23 de setembro de 2020
SIGA-NOS

Raposa levou a melhor na última final do campeonato contra o seu maior rival



Publicado em quarta-feira, agosto 12, 2020 · Comentar 

Quase 12 anos e 3 meses depois, o que equivale a 4.469 dias no total, Campinense e Treze voltam a decidir um Campeonato Paraibano. A última partida entre as duas equipes em uma final de estadual aconteceu em 18 de maio de 2008.

No Amigão lotado, o timaço da Raposa, que viria a conseguir o acesso para a Série B do Campeonato Brasileiro, venceu o Galo por 2 a 0, fazendo 5 a 0 no agregado, e levantou a taça em um ano Olímpico, fato que aconteceu também em 2004, 2012 e 2016, a título de coincidência.

Este ano, as Olimpíadas de Tóquio foram adiadas devido a pandemia do novo coronavírus, mas o Paraibano teve que seguir, e as duas equipes vão para sua décima primeira final entre si no torneio doméstico. Em 2010 o Galo venceu o Campinense no último jogo, mas era um quadrangular final, e não uma decisão entre os rivais.

O Clássico dos Maiorais que sagrou o rubro-negro campeão em 2008 foi emocionante. Campeão, o Campinense tinha em seu elenco nomes que são familiares ao torcedor até neste ano, como o goleiro Pantera, dispensado após a parada do estadual, e do atacante Fábio Júnior, que está no elenco, e foi uma das principais peças da equipe daquela temporada.

No segundo jogo, mesmo com a vantagem de 3 a 0 na primeira partida, foi a Raposa que teve as melhores chances, apesar do Galo se atirar mais ao ataque. O rubro-negro, inclusive, teve uma oportunidade desperdiçada por Washington, que errou o chute após passe recebido de Fábio Júnior, que tinha roubado a bola do goleiro Carlão e passado para o companheiro com o gol aberto para marcar.

Somente na segunda etapa as redes foram balançadas. Marquinhos Marabá marcou duas vezes rapidamente, aos 19 e 22 minutos, para sacramentar o título raposeiro.

O Campinense entrou em campo na decisão com Pantera, Fábio, Jadson, Cícero, Fernandes; Charles Wagner, Marquinhos Mossoró, Jean Alisson (Barata), Washington (Jânio); Marquinhos Marabá e Fábio Júnior (Almir).

O treinador era Freitas Nascimento. Por sua vez, o Treze jogou com Carlão, Reinaldo, Erlon, Neném (Tazinho), André Lima; Roni, Garrinchinha (Nino Guerreiro), Gaibú, Leandro Sena; CLéo e Jean Carlos (Hamilton). Luiz Carlos Cruz era o treinador na época. No estádio, 21475 pagantes prestigiaram o Clássico dos Maiorais.

Foto: Acervo digital do futebol paraibano

Foto: Acervo digital do futebol paraibano

O último título alvinegro sobre seu rival aconteceu em 1983. Na ocasião, um imbróglio aconteceu após o vencedor do segundo turno – o primeiro foi vencido pelo Treze – não ser decidido entre os clubes, depois de empate em pontos e saldo de gols de Raposa e Galo ao fim da fase final.

A FPF decidiu em um primeiro momento que o Treze seria sacramentado campeão direto por vencer os dois turnos. Entretanto, após protestos rubro-negros, a entidade decidiu realizar uma “melhor de três” com as duas equipes para apontar o campeão.

Na primeira partida, empate por 0 a 0. Depois, o Galo bateu o rubro-negro por 2 a 0 e 2 a 1, nos dias 11 e 18 de dezembro de 1983, para garantir mais um troféu para o Presidente Vargas.

No total, em finais com as duas equipes, o Campinense leva a melhor, com oito títulos (1961, 1962, 1963, 1964, 1973, 1974, 2004 e 2008), e apenas duas conquistas trezeanas (1982 e 1983).

Nesta quarta-feira (12) e sábado (15), mais um capítulo será escrito em um dos maiores clássicos do interior do país.

Da redação/ Com Paraíba Online

Comentários


SIGA-NOS

Todos os direitos reservados - Proibida reprodução total ou parcial deste site sem aviso prévio

Copyright © 2017 - ExpressoPB - CNPJ: 10.962.007/0001-48