quarta, 15 de julho de 2020
SIGA-NOS

Pastor evangélico que manteve esposa refém e transmitiu agressões ao vivo é preso



Publicado em sábado, março 14, 2020 · Comentar 

Pastor evangélico mantém esposa refém por 12h e transmite agressões ao vivo na internet. Polícia chegou no local e homem ameaçou furar olhos de companheira com tesoura 

O pastor evangélico Jesus Gorgs, de 40 anos, foi preso em Campo Grande (MS) nesta quinta-feira (12) após torturar e fazer a esposa de refém durante 12 horas. O homem transmitiu as agressões ao vivo pela internet.

Vizinhos e colegas viram o vídeo e acionaram a polícia. O boletim de ocorrência revela que o pastor vinha ameaçando Sandra e um fiel da igreja, acusando os dois de terem uma relação extraconjugal.

A polícia tentou fazer com que o homem libertasse a mulher, mas ele ameaçou furar os olhos dela com um tesoura e matá-la caso os policiais se aproximassem. O pastor ainda cortou os cabelos da esposa e rasgou as roupas dela.

A rua onde o que crime ocorreu foi interditada. Policiais do Batalhão de Choque, Batalhão de Operações Especiais (Bope) e do Grupo de Operações e Investigações (GOI), além do Corpo de Bombeiros, estiveram no local negociando a rendição.

Depois de horas de negociações, o pastor se entregou e liberou a companheira. A vítima foi socorrida pelo Corpo de Bombeiros com hematomas.

Crimes

Segundo a delegada Sueili Araújo, da Delegacia da Mulher (Deam), o pastor pode responder por pelo menos quatro crimes. “Em princípio, ele cometeu cárcere privado, lesão corporal, ameaça e ainda pode ser enquadrado nos artigos 216-B e 218- C, do Código Penal Brasileiro, que é produzir imagens com cena de nudez sem consentimento da vítima e ainda com a finalidade de humilhação, o que pode levar a um aumento de pena”, explicou a delegada.

Vale mencionar que as tipificações podem mudar para crimes mais pesados, dependendo do depoimento da vítima que ainda não foi ouvida. “Se a vítima disser que em algum momento ele tentou matá-la e não conseguiu, será enquadrado por tentativa de feminicídio. Além disso, vamos verificar se houve abuso sexual, o que poderá resultar em acusação por estupro”, relatou a delegada.

Jesus Gorgs e Sandra se casaram em 2015. Vídeo de trecho da cerimônia está disponível na internet:

Violência contra a mulher

No Brasil, 13 mulheres são mortas por dia. No total, 4,8 em cada 100 mil mulheres morrem por violência doméstica – essa taxa coloca o Brasil em quinto lugar no ranking de violência doméstica criado pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

A cada 1 hora e meia, uma mulher morre no Brasil por causas violentas – e, nesse cenário, o marido ou namorado é responsável por mais de 80% dos casos. Os dados são de pesquisas do Ipea, Mapa da Violência e do SESC.

A denúncia de violência doméstica pode ser feita em qualquer delegacia, com o registro de um boletim de ocorrência, ou pela Central de Atendimento à Mulher (Ligue 180), serviço da Secretaria de Políticas para as Mulheres. Vale lembrar: a denúncia é anônima e gratuita, disponível 24 horas, em todo o país.

Para proteger e ajudar as mulheres a entenderem quais são seus direitos, em 2014, a Secretaria lançou um aplicativo para celular (Clique 180) que traz diversas informações importantes, como os tópicos da Lei Maria da Penha.

O Código Penal estipula a pena de reclusão de 12 a 30 anos para o homicídio contra a mulher por razões da condição de sexo feminino (feminicídio).

Da Redação 
Com Pragmatismo Político 

Comentários


SIGA-NOS

Todos os direitos reservados - Proibida reprodução total ou parcial deste site sem aviso prévio

Copyright © 2017 - ExpressoPB - CNPJ: 10.962.007/0001-48