quinta, 14 de novembro de 2019
SIGA-NOS

Heleno ataca Dilma em comissão na Câmara: ‘Anistia levou uma terrorista à Presidência’



Publicado em quinta-feira, novembro 7, 2019 · Comentar 

A audiência pública com o ministro do GSI (Gabinete de Segurança Institucional), general Augusto Heleno, fugiu do tema inicialmente estipulado e teve momentos de lavagem de roupa suja histórica, nesta 4ª feira (4.nov.2019), na Comissão de Integração Nacional da Câmara.

Heleno já estava nos círculos de poder durante o período de ditadura militar (1964.1985), mas em uma posição baixa. Ele foi ajudante de ordens do general Silvio Frota, figura importante do regime. Nesta tarde, depois de a deputada Sâmia Bomfim (Psol-SP) fazer rápido discurso sobre o regime, Heleno respondeu o seguinte:

“Do mesmo jeito que a senhora nos acusa de torturadores… eu não posso estar incluso nisso aí porque era 1 mero tenente. Nós conseguimos, com o período militar, fazer uma anistia que levou uma terrorista à Presidência da República e vários terroristas a cargos relevantes da República. Vários cargos importantíssimos da República que foram ocupados por terroristas”.

De acordo com o general, há uma diferença de visão história, o que não impede que haja união para que se trabalhe pelo Brasil.

“Nós não concordamos com essa nomenclatura de terroristas. Eu sei que Vossa Excelência estava se referindo à presidenta Dilma, [José] Genoíno. Para nós, terrorista é quem comete atentado. Para nós, eles se opuseram a esse governo e são lutadores do povo”, rebateu o deputado Airton Faleiro (PT-PA).

A deputada Sâmia Bomfim também perguntou se o ministro repudiaria a declaração do filho do presidente e deputado federal, Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), de que 1 novo AI-5 (Ato Institucional Número 5) seria uma opção em caso de “radicalização da esquerda”.

“Eu não vou repudiar [a fala do Eduardo Bolsonaro]. Ele repudiou. Ele disse que falou alguma coisa que não é o que ele pensa. Eu não vou falar. A senhora [Sâmia] vai me torturar por falar.”

O AI-5, decretado em dezembro de 1968, forneceu os instrumentos que a ditadura precisava para recrudescer ainda mais o regime instalado após o golpe de 1964.

Em sua primeira fala, Augusto Heleno acusou o jornal O Estado de S. Paulo. O veículo publicou entrevista no qual o ministro dizia, sobre a declaração de Eduardo Bolsonaro sugerindo AI-5, que “tem que ver como vai fazer”. Segundo o ministro, não foi o que ele quis dizer.

Ele também disse várias vezes que não há, no governo ou nas Forças Armadas, qualquer tendência a atitudes autoritárias. “Os brasileiros estão preocupados com essa questão. Acho bom que o senhor disse que não tem nenhum movimento nas Forças Armadas”, disse o deputado Ivan Valente (Psol-SP). “Eu quero lhe dizer, general, que eu fui torturado na ditadura”, contou Valente.

A presença de Heleno foi requerida para prestar esclarecimentos sobre o monitoramento feito sobre movimentos sociais – o que ele nega existir. O documento inicial previa convocação, mas o ministro se dispôs a comparecer. Foi expedido apenas 1 convite.

 

 

Da Redação 

Com Poder 360

Comentários


SIGA-NOS

Todos os direitos reservados - Proibida reprodução total ou parcial deste site sem aviso prévio

Copyright © 2017 - ExpressoPB - CNPJ: 10.962.007/0001-48