domingo, 15 de setembro de 2019
SIGA-NOS

Me incluam fora



Publicado em sábado, abril 13, 2019 · Comentar 

Quando leio os acontecimentos da política paraibana nos dias atuais, chego a conclusão de fiz muito bem em não tentar voltar a uma cadeira parlamentar. Aproveitei bem o meu tempo, dei a minha contribuição, por mais modesta que tenha sido e a encerrei com o advento da nova Constituição Estadual. Os tempos eram outros. O parlamentar era respeitado e o político estimado. Ao ocupar uma vaga na Câmara Federal já no pós-Collor, vivi o inicio da era da deteriorização da imagem da classe. Sempre que saia à rua, mesmo em Brasília, tinha a preocupação de retirar da lapela o broche que identifica o membro do Congresso Nacional. Em Fortaleza, era diretor do Banco do Nordeste e para facilitar o ingresso em um estacionamento oficial mostrei minha identidade parlamentar. O guarda olhou com desdém e comentou: – Vocês tão levando os tubos…passa! Deveria estar se referindo aos subsídios dos parlamentares. Foi a última vez que exibi a carteirinha que tanto me orgulhou conquistá-la.

Vivi outros tempos. Era vice-lider do Governo Ivan Bichara. Antes de ir ao aeroporto recepcionar Antônio Mariz que anunciava uma dissidência contra a decisão do Planalto que escolhera Burity para governador indireto, renunciei ao posto. A dissidência foi consumada e não houve pressão, aceno, vantagens oferecidas que demovessem os nossos propósitos. Todos os deputados dissidentes permaneceram firmes até o final da disputa. E se vivia o auge do poder militar.

Os convencionais, mesmo confinados no Hotel Tropicana e arrebanhados em grupos para a convenção na AL, votaram com independência e perdemos por muito pouco. Essa posição me custou o mandato, reconquistado, porém, quatro anos depois.

Agora tudo mudou. Os apoios duram pouco e mudam com o vento. Basta que sopre uma melhor vantagem vindo de outra direção. As desculpas são as mais esfarrapadas. E às vezes, românticas. Se fala em namoro, noivado e casamento como fases preparatórias da união política. Mas basta uma das partes não concordar com o regime da comunhão de bens e o casamento se desmancha.

O debate chega a ser impróprio para menores. Nas ofensas, até o reino animal é atingido. Como hoje em dia sou um leão sem dentes, me incluam fora dessa arena. (P.S: esta próxima semana, despeço-me do último cargo público que ocupei.Volto à planície. Sou um político sem mandato, um advogado sem causas e um jornalista sem jornal. Mas estou vivo e forte, graças ao bom Deus).

Ramalho Leite
Jornalista/Ex-Deputado – Colunista

Comentários


SIGA-NOS

Todos os direitos reservados - Proibida reprodução total ou parcial deste site sem aviso prévio

Copyright © 2017 - ExpressoPB - CNPJ: 10.962.007/0001-48