segunda, 20 de agosto de 2018
SIGA-NOS

EUA enfrentam nova paralisação administrativa



Publicado em sexta-feira, fevereiro 9, 2018 · Comentar 

© Fournis par France Médias Monde REUTERS/Carlo Allegri/File Photo

Os Estados Unidos enfrentam nesta sexta-feira (9) uma nova paralisação administrativa em menos de um mês. Embora o senado tenha aprovado o orçamento, a Câmara ainda não votou a matéria, de um acordo para os próximos dois anos. As contas do governo estão congeladas, o que provoca um “apagão” administrativo no país.

A segunda paralisação do governo teve início à meia-noite, no horário local (3h de Brasília), quando expirou o projeto de curto prazo aprovado em 22 de janeiro e que deu fim ao primeiro “shutdown” enfrentado pelo presidente Donald Trump.

Durante o congelamento das contas em outubro de 2013, quase 800 mil funcionários públicos foram orientados a permanecer em casa, e este ano a medida poderia afetar até 850 mil pessoas.

O Senado aprovou, nesta madrugada, após longa discussão e até um bloqueio do senador Rand Paul, o orçamento para os próximos dois anos, faltando agora o sinal verde da Câmara Baixa, que permitiria a reabertura do governo, em fechamento parcial administrativo.

A proposta aprovada no Senado passa agora pela Câmara dos Representantes, que também deve votá-la ainda nesta madrugada (horário local) para permitir uma rápida reabertura do governo e desta forma limitar as consequências do fechamento.

O bloqueio de Rand Paul é baseado em aspectos técnicos e não em uma maioria legislativa e segue em discussão. Por isso, a paralisação deve durar pouco, segundo a imprensa norte-americana.

Na tarde de quarta (7), o líder republicano no Senado, Mitch McConnell (Kentucky), e o líder democrata, Chuck Schumer (Nova York), divulgaram um acordo que estende o financiamento ao governo por mais dois anos e amplia os gastos do governo em quase US$ 300 bilhões nesse período. O orçamento militar cresceria US$ 165 bilhões nesses dois anos, enquanto a receita de outros programas domésticos teria expansão de US$ 131 bilhões.

No entanto, a proposta sofreu forte oposição do senador republicano Rand Paul (Kentucky). Ele se posicionou de forma contrária à medida e fez um discurso de mais de duas horas no plenário do Senado, protestando contra o acordo alegando que o déficit dos EUA aumentaria em centenas de bilhões de dólares.

G1

Comentários


SIGA-NOS

Todos os direitos reservados - Proibida reprodução total ou parcial deste site sem aviso prévio

Copyright © 2017 - ExpressoPB - CNPJ: 10.962.007/0001-48