Presidente do TJPB avalia sua gestão a frente do judiciário em 2017


“Um conjunto de medidas adotadas ao longo de 2017, com destaque aos investimentos em tecnologia da informação e na realização de esforços concentrados para reduzir o estoque processual e possibilitar o julgamento de maior número de ações dentro de prazos razoáveis, permitiu ao Tribunal de Justiça da Paraíba avançar na melhoria da prestação dos seus serviços. Novas plataformas online foram criadas e outras ampliadas para facilitar o acesso dos usuários ao Poder Judiciário. Houve, ainda, priorização das atividades no 1º Grau de jurisdição, que concentra 92% das ações em tramitação na Justiça”, ressaltou o presidente do TJPB, desembargador Joás de Brito Pereira Filho.

Joás de Brito disse que, neste ano, o TJPB ampliou o sistema de estatísticas e a produção de dados do Poder Judiciário, promoveu a transparência e melhoria na gestão judiciária e contribuiu para a efetividade da prestação jurisdicional. As medidas lhe renderam o Selo Ouro, concedido pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Aliado a isso, subiu quatro posições no ranking de produtividade entre os tribunais de pequeno porte, alcançando o 1º lugar, de acordo com o relatório Justiça em Números 2017, do CNJ.

O presidente do TJ explica que foi desenvolvido um trabalho que levou em consideração a realidade da Justiça paraibana, seus orçamentos, a mão de obra e observados os gargalos vivenciados no dia a dia, tudo considerando parâmetros de gestão estratégica. Foi inciada, por exemplo, a equalização da força de trabalho, com a redistribuição de servidores, de cargos em comissão e de funções de confiança nos órgãos do Poder Judiciário de primeiro e segundo graus. A medida atendeu à Resolução nº 219 do CNJ.

ALGUMAS AÇÕES:

PJe. O Processo Judicial eletrônico, que permite a tramitação de ações sem uso de papel e que entrou em funcionamento no Judiciário paraibano em agosto de 2011, com projeto-piloto no cartório da 3ª Vara da Comarca de Bayeux, atingiu em 2017 sua maior expansão. Chegou a 100% das comarcas e, agora, começar a ‘engolir’ os processos do antigo sistema, o e-Jus. A previsão da Diretoria de Tecnologia da Informação (Ditec) é de que até o primeiro trimestre de 2018 em torno de 40 mil processos do e-Jus tenham migrado para o PJe, além de todas as ações que hoje estão em estado físico.

Certidões. Hoje já é possível, por meio do site do TJPB (www.tjpb.jus.br), fazer consulta processual, emitir boletos de custas judiciais e outras taxas ou mesmo obter, de forma rápida, uma certidão que é expedida pelo Telejudiciário. Com a plataforma CERTO, um dos investimentos de 2017, bancos de dados cíveis e criminais sobre os usuários foram unificados, reduzindo o tempo de fornecimento da certidão.

ADMeletrônico. Os processos administrativos (ADMs) já são 100% eletrônicos. “Isso nos gerou grande economia financeira”, comemora o desembargador Joás de Brito.

Chamadas de TI. O serviço foi um dos últimos implantados, este ano, na área de tecnologia, sem custos para o Tribunal, mas de grande alcance. Permite que usuários, desde servidores, magistrados, advogados, membros do Ministério Público e da Defensoria, além das partes envolvidas em processos, possam fazer solicitação de serviços na área de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC), prestados pelo Tribunal. Com o sistema, equipe de TI pode detectar as principais demandas e identificar onde e como a prestação do serviço precisa ser melhorado.

Sistema de Publicação. A adoção do SIP já foi iniciada. Este vai reunir numa única plataforma online o Diário da Justiça eletrônico (DJe), o Inteiro Teor (programa destinado a advogados) e o Registro Virtual de Sentenças. O sistema atende à Resolução nº 234 do CNJ e ao novo CPC, que versam sobre a publicação dos atos praticados por magistrados, como despachos, decisões, sentenças e acórdãos, além de editais e atos de distribuição.

Malote Digital. O sistema de envio virtual de documentos deixou de ser exclusivo de uso interno do Poder Judiciário. Através de convênio com a Seds (Secretaria de Estado de Defesa Social), o TJPB expandiu a comunicação para a Central de Flagrantes de João Pessoa (Central de Polícia Civil) e delegacias, para o envio eletrônico de autos de prisão em flagrante. Novo convênio ampliou o serviço aos presídios paraibanos.

Mutirões. Os esforços concentrados foram os grandes responsáveis pela redução do estoque de processos no Poder Judiciário estadual. Os mutirões foram realizados nas Varas da Infância e da Juventude, na VEP (Execução Penal), em Juizados Especiais Mistos de diversas comarcas, em Varas de Família e, também, na de Entorpecentes, dentre outras unidades judiciárias. Em novembro, os Tribunais do Júri elaboraram pauta especial para priorizar processos de réus presos. Mais de 70 processos de crimes dolosos contra a vida e incluídos na Meta Enasp 2017 foram inseridos no regime de jurisdição conjunta.

Defesa da mulher. O Tribunal de Justiça da Paraíba dedicou atenção especial ao fortalecimento de medidas para o combate à violência doméstica contra as mulheres. Elaborou projeto de estruturação da Coordenadoria da Mulher como órgão permanente do TJPB e dimensionou a campanha ‘Justiça pela Paz em Casa’, atendendo à Meta 8 do Conselho Nacional de Justiça. Para isso, firmou parcerias com entidades não governamentais, Secretarias municipais e de Estado da Mulher e Diversidade Humana, Delegacias, além de estabelecer período para campanha permanente, incluindo os projetos ‘Papo de Homem: construindo masculinidades’ e ‘Justiça em seu Bairro – Mulher Merece Respeito’. No período de 20 a 24 de novembro foram realizados mutirões em todo o Estado para julgar ações relativas à violência contra a mulher

Conciliações. Nos últimos anos, o Judiciário paraibano tem estimulado a conciliação e mediação como solução de conflitos, de forma a evitar a judicialização de ações. Foram promovidos mutirões para resolução de dívidas bancárias (envolvendo BNB, BB, Bradesco, BMG e outros); de ISS e IPTU com várias prefeituras, destacando as de João Pessoa, Campina Grande e Cabedelo; e de planos de saúde. Houve acordos com o Mutirão Dpvat e de energia. O Tribunal participou, também, da XII Semana Nacional de Conciliação, que obteve a adesão de 22 comarcas, sob a coordenação do Núcleo Permanente de Métodos Consensuais de Solução de Conflitos (Nupemec). Antes, em agosto, o desembargador Joás de Brito Pereira Filho recompôs quatro Centros de Conciliação, elevando para 20 o número em funcionamento na Paraíba.

Acesso Seguro. Depois de avaliações e discussões sobre as medidas necessárias para garantir segurança a magistrados, servidores e usuários do Judiciário, o TJPB adotou, a partir de novembro, o projeto Acesso Seguro. O sistema de controle de acesso das pessoas às unidades judiciárias segue procedimentos de identificação, inspeção de segurança, submissão ao aparelho detector de metais e utilização de crachá de identificação. As medidas incluem o acesso de servidores.

Orçamento. A exemplo do que ocorreu em 2016, o TJPB promoveu o II Fórum Orçamentário do Poder Judiciário, com a realização de plenárias em todas as circunscrições judiciárias para elencar prioridades na aplicação de recursos para a elaboração do orçamento de 2018, com a participação de magistrados e servidores.

Da Redação 
Com Pbagora

Comentários

Artigos relacionados

Leave a reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *