quinta, 20 de setembro de 2018
SIGA-NOS

Empossado há dois dias, prefeito de Gurinhém pode ser cassado por suspeita de compra de votos



Publicado em quarta-feira, janeiro 4, 2017 · Comentar 

Claúdio Madruga (à esq.) durante diplomação
Claúdio Madruga (à esq.) durante diplomação (Foto: @ExpressoPB)

Empossado há dois dias, o prefeito do município de Gurinhém, Cláudio Freire Madruga, pode ter o mandato cassado pela Justiça Eleitoral e deixar a chefia do Poder Executivo antes mesmo de chegar o carnaval. O novo gestor está sendo acusado de comandar um esquema de compra de votos envolvendo o Sindicato dos Trabalhadores Rurais do município.

Uma Ação de Investigação Judicial Eleitoral (Aije) foi impetrada pelo ex-gestor Tarcísio Saulo de Paiva, que acusa o atual prefeito de abuso de poder econômico e captação ilícita de sufrágio e pede a cassação e a inelegibilidade de Cláudio de Madruga por 8 anos. Madruga venceu as eleições por uma diferença de apenas 19 votos.

De acordo com a ação impetrada na Justiça Eleitoral, o crime teria ocorrido por meio de pagamento de mensalidades atrasadas de filiados ao Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Gurinhém. Constam nos autos do processo que os pagamentos ultrapassaram a quantia de mil reais e quitaram os débitos dos sindicalizados em troca de votos.

“Todos os indícios apontam para uma fraude enorme no referido sindicato, havendo provável conluio entre a chapa eleita, os candidatos a vereador Acácio e Romero e o presidente do sindicato, com o intuito de fraudar a liberdade do voto, por meio de favorecimento financeiro dos filiados e do próprio sindicato”, diz a peça jurídica.

Em uma das provas apresentadas pela parte acusadora há uma áudio onde um dos favorecidos confessa o recebimento da quitação do débito com o sindicato em troca de votar no então candidato Cláudio Madruga.

Veja a transcrição do áudio na íntegra: 

Advogado: Certo. Na sua casa alguém paga sindicato?
Sr. Elenilson: Paga. A minha esposa.
Advogado: Ela tava devendo, tava em dia, como é que tava a situação do sindicato dela?
Sr. Elenilson: Tava em R$ 1.712,00.
Advogado: E como foi que ela conseguiu colocar em dia esse sindicato?
Sr. Elenilson: Que eles chegaram lá oferecendo que votasse no prefeito, que era pra votar em Cláudio Madruga, mas só que a gente pra deixar em dia era R$ 1.712,00.
Advogado: No caso aí chegaram na sua casa oferecendo pra vocês votar no prefeito que botava em dia seu sindicato.
Sr. Elenilson: E botou em dia.
Advogado: Botou em dia?
Sr. Elenilson: Botou. 

Da Redação 
Com Blog do Gordinho

Comentários


SIGA-NOS

Todos os direitos reservados - Proibida reprodução total ou parcial deste site sem aviso prévio

Copyright © 2017 - ExpressoPB - CNPJ: 10.962.007/0001-48