segunda, 16 de julho de 2018
SIGA-NOS

Nova baixa no governo Temer: cai o ministro do Turismo



Publicado em quinta-feira, junho 16, 2016 · Comentar 

brasil-politica-henrique-eduardo-alves-20140314-15-originalA Presidência da República informou nesta quinta-feira que o ministro do Turismo, Henrique Eduardo Alves, pediu demissão do cargo. Alvo da Operação Lava Jato, ele foi citado na delação do ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado como beneficiário do esquema de corrupção da Petrobras. É o terceiro ministro do Temer a cair em pouco mais de um mês.

A assessoria de Temer divulgou a demissão durante uma cerimônia do presidente com o ministro da Educação, Mendonça Filho.

Alves tomou a atitude que era esperada por Temer por parte dos ministros investigados, segundo auxiliares do presidente interino.

No início de junho, o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, já havia dito, em entrevistas, que o envolvimento de Alves no esquema de corrupção na Petrobras “constrangia o governo”. Na ocasião, ele disse que Temer deixou claro aos seus ministros que não se furtaria em demitir quem fosse emparedado nas investigações.

Alves já era titular da pasta do Turismo na gestão Dilma Rousseff e foi mantido por Temer no posto mesmo ante as suspeitas de que recebeu dinheiro do petrolão – o que ele nega.

Antes dele, também deixaram o ministério Romero Jucá (Planejamento) e Fabiano Silveira (Transparência) após serem gravados em conversas sobre a Operação Lava Jato por Sérgio Machado.

Lava Jato – Em dezembro, o apartamento de Henrique Eduardo Alves em Natal (RN) havia sido alvo de buscas pela Polícia Federal, por ordem do Supremo Tribunal Federal. À época, ele também ocupava o cargo de ministro do Turismo, no governo de Dilma Rousseff, e se disse surpreso com a determinação do Supremo.

Agora, com a demissão, Alves vai perder o foro privilegiado e seu processo pode ser enviado à 13º Vara Federal de Curitiba (PR), onde o juiz Sérgio Moro centraliza as ações da Lava Jato. Ex-presidente da Câmara dos Deputados, ele perdeu as eleições para o governo do Rio Grande do Norte em 2014 e ficou sem mandato.

Nesta quarta-feira, após ter sido citado na delação de Sérgio Machado, Alves usou ser perfil no Twitter para dizer que “estava à disposição da Justiça, confiante que ilações envolvendo seu nome serão prontamente esclarecidas”. Ele tomou uma postura pública muito semelhante ao pronunciamento que Temer fez nesta quinta e à nota da Presidência da República.

“Repudio com veemência a irresponsabilidade e leviandade das declarações desse senhor. Todas as doações para minhas campanhas foram oficiais, as prestações de contas foram aprovadas e estão disponíveis no TSE, conforme a lei. As minhas relações são pautadas pela ética e respeito institucional. Nunca pedi qualquer doação ilícita para empresário ou quem quer que seja. Como presidente de partido, eventuais pedidos de doações que eu tenha feito foram para as campanhas municipais, sempre obedecendo a lei”, escreveu Alves.

Da Redação
Veja.com

Comentários


SIGA-NOS

Todos os direitos reservados - Proibida reprodução total ou parcial deste site sem aviso prévio

Copyright © 2017 - ExpressoPB - CNPJ: 10.962.007/0001-48