domingo, 23 de setembro de 2018
SIGA-NOS

O que não consta do livro de tombo do Padre Zé Diniz



Publicado em segunda-feira, maio 30, 2016 · Comentar 

Depois de revelar alguns registros do Livro de Tombo da paróquia de Bananeiras durante a gestão do monsenhor José Pereira Diniz, resolvi  contar algumas histórias do folclore local, envolvendo a figura singular do vigário.Tido e havido como um homem de posses, senhor de engenho e de poucos amigos, fabricava rapadura e cachaça. O fisco estadual chegou a apreender um carregamento de álcool destinado à fabricação não muito pura, da chamada “cachaça milagrosa”. O batismo é da Revista O Cruzeiro, na sua famosa coluna “O impossível Acontece”, ao noticiar sobre a ação fiscal e a atividade extracurricular do vigário.

O advogado Alfredo Pessoa de Lima em júri popular (eu  estava presente na platéia), negou a autoria da notícia que lhe atribuíram. E justificou: “cachaceiro não é aquele que ingere em excesso a bebida, produto da cana-de-açúcar. Cachaceiro, pelo sufixo eiro, indica profissão. Cachaceiro, é, portanto, quem fabrica a cachaça”, ensinou, e concluiu: “Tivesse sido eu o autor da matéria, teria completado que em Bananeiras quase todo mundo é cachaceiro. É cachaceiro não somente o padre, (Zé Diniz, dirigia o Engenho de Nossa Senhora) mas o juiz, (SemeãoCananéa tinha um engenho em Remígio), o promotor (não sei onde era o engenho de Onaldo Montenegro) e o prefeito (José Rocha era dono do Engenho Jardim). A notícia publicada na principal revista do país, à época, teve ampla repercussão, e gerou contrao padre comentários desconfortáveis. O monsenhor era um homem rico e, Zé do Cinema, seu colaborador, afilhado e um dos seus poucos interlocutores, preocupado,contou-lhe o que se dizia na rua. O padrinho não tinha por que se explicar e, encerrou o assunto:

– Zé, eu fiz voto de castidade! Quem fez voto de pobreza foi Frei Damião!

O monsenhor era conhecido pela pouca convivência social. Dificilmente comparecia a qualquer evento que não dissesse respeito às suas atividades religiosas. Seu veículo, um jeep, cortava as estradas de barro e deixava os transeuntes na poeira. Contam que um frade, à época seu coadjuvante, voltava esbaforido e a pé, de Vila Maia, onde fora celebrar uma missa. A passagem da condução do padre Diniz só fez aumentar a poeira na túnica marrom do capuchinho, esperançoso por uma carona. Mesmo com essa fama de uso individual de sua viatura, Zé do Cinema insistia com o padrinho para que comprasse um jeep de quadro portas, os jipões que estavam na moda e, justificava: dr. Clovis e seu Mozart Bezerra já compraram; seu Zé Rocha recebeu o dele;major Jurandir também; só falta “meu padim” comprar o seu:

-Pra que eu quero quadro portas Zé! Meu jeep tem duas portas e eu só uso uma

O meu amigo Vicente da Nóbrega, pai do jornalista Rubens Nóbrega e professor do Colégio Agrícola, morava na rua principal de Bananeiras, em casa alugada ao padre, também administrador dos bens da Sociedade São Vicente. Uma chuva forte revelou uma porção de goteiras. Aproveitando uma tarde de folga, o professor subiu ao telhado e tentava realizar o conserto. De repente, estaciona no meio da rua o padre Diniz e, de dentro do seu veículo, grita:

Você ai em cima, está destruindo minha casa?

A resposta de Vicente  veio desassombrada, como manda a tradição familiar:

Sua casa não! Essa casa é de Nossa Senhora. Só não sei se ela está recebendo o aluguel…

Sobre a definição de cachaceiro, aludida acima, encontrei recente canção de um sertanejo chamado Eduardo Costa, que parece ter ouvido a lição do advogado Pessoa de Lima: “Dizem que sou cachaceiro/ cachaceiro eu não sou/ cachaceiro é quem fabrica a pinga/Eu sou só consumidor”. 

Ramalho Leite
Jornalista/Ex-Deputado – Colunista

Comentários


SIGA-NOS

Todos os direitos reservados - Proibida reprodução total ou parcial deste site sem aviso prévio

Copyright © 2017 - ExpressoPB - CNPJ: 10.962.007/0001-48