quarta, 24 de outubro de 2018
SIGA-NOS

Censura? Jornalista tem coluna retirada da página já diagramada do jornal CORREIO



Publicado em quarta-feira, abril 20, 2016 · Comentar 

lucio-vilarO jornalista e professor dr. Lúcio Vilar (UFPB), que assina há cerca de 15 anos no Correio da Paraíba coluna semanal intitulada “Caleidoscópio Midiático”, foi surpreendido na tarde de ontem com email do Chefe de Redação do referido jornal, comunicando que sua coluna havia sido retirada da página (já diagramada), num claro sinal de censura exercido pelo veículo. Sob a alegação de que a empresa havia decidido que conteúdos políticos não poderiam ser abordados nas páginas culturais, o Chefe de Redação justificou que a coluna (intitulada Deu no New York Times) estava, portanto, fora de contexto, e por essa razão foi excluído da edição desta quarta-feira.

Em resposta, o jornalista Lúcio Vilar reiterou:

“Portador não merece pancada, bem sei disso, mas não sejamos ingênuos; esse comunicado tem outro nome: censura. Até porque não recebi nenhum comunicado anterior da Editoria Geral de que não poderia falar de política. Aliás, conceber jornalismo cultural dissociado da política é um equívoco completo, sem falar do fato de que uma coluna é sempre a expressão última da opinião do colunista. No mais, para desmistificar, basta filtrar o colunismo social e rastrear os resíduos da política provinciana entranhados em palavras, gestos, caras, bocas e fotos…

Enfim, mas ‘isso não vem o caso’ como diria o juiz Sérgio Moro, né verdade? Só tenho a lamentar pela postura e, sobretudo, agradecer à empresa por esse espaço compartilhado durante todos esses anos em que não me pautei por um único tema, até porque os leitores não suportariam. Vida que segue.
Saudações democráticas a todos”.

Segue, abaixo, coluna (censurada no CORREIO), na íntegra, que o Polêmica Paraíba publica em primeira mão:

Deu no New York Times
Fundado em 1851, o The New York Times é considerado ainda hoje o mais influente jornal dos Estados Unidos com ressonâncias planetárias, dada sua tradição de credibilidade que lhe conferiu lugar especial na história do jornalismo contemporâneo. Ao veículo críticas podem ser imputadas, menos de que tenha tido em algum momento de sua trajetória posicionamentos editoriais à esquerda. Quem derrubou Nixon, por exemplo, não foi o NYT, mas o Washington Post.

Pois é, dito isso, vamos ao que interessa: além dos igualmente relevantes jornais e veículos The Guardian (Inglaterra), El País(Espanha), CNN (EUA) e Der Spiegel (Alemanha), o NYT condenou, em editorial, o ‘golpe de abril’ transmitido em rede nacional no último domingo.

“Dilma, que foi reeleita em 2014 por quatro anos, está sendo responsabilizada pela crise econômica do país e pelas revelações das investigações de corrupção que envolve a classe política brasileira”, disse o jornal que já havia reiterado em matéria anterior a conduta de honestidade da presidenta da República.

Já o britânico The Guardian estampou: “Congresso hostil e manchado por corrupção”, enquanto o espanhol El País reforçou: “Deus derruba a presidente do Brasil”, citando os deputados que justificaram o voto pelo impeachment com argumentos de cunho religioso.

O espetáculo dantesco de pornografia política explícita – em nome de Deus e de torturadores – envergonhou o Brasil perante o mundo. Agora, somos a nova “república bananeira”.

Quem vai pagar por isso?!…

Da Redação 
Com Polêmica Paraíba

Comentários


SIGA-NOS

Todos os direitos reservados - Proibida reprodução total ou parcial deste site sem aviso prévio

Copyright © 2017 - ExpressoPB - CNPJ: 10.962.007/0001-48