domingo, 24 de junho de 2018
SIGA-NOS

O Brasil diz não ao Golpe: Mobilizações ocorreram em, pelo menos, 56 cidades pelo país e também na Europa



Publicado em quinta-feira, março 31, 2016 · Comentar 

Praça da Sé - São Paulo
Praça da Sé – São Paulo

Movimentos sociais e centrais sindicais organizadas na Frente Brasil Popular realizam, nesta quinta-feira (31), mobilização nacional em defesa da democracia e contra o golpe, a reforma da Previdência e o ajuste fiscal. Eles não pretendem deixar as ruas, independente do resultado do processo de impeachment contra a presidenta Dilma Rousseff. “Não vamos reconhecer um eventual governo (Michel) Temer. A ‘saída Temer’ é um jogo casado dos golpistas”, afirmou o presidente da CUT São Paulo, Douglas Izzo.

Leia também: Nas ruas e na rede: #BrasilContraOGolpe é um dos assuntos mais comentados do mundo nas redes sociais

Para o dirigente sindical, um governo de coalizão entre PMDB, PSDB e DEM representa “o pior dos mundos” para os trabalhadores e vai ser enfrentado com amplas mobilizações e paralisações. “Não vamos reconhecer um governo que não tem a legitimidade dos votos do povo. Que só representa ajuste, flexibilização das leis trabalhistas e ataques contra os programas sociais”, disse Izzo.

Já no caso da derrota dos defensores do impeachment, o coordenador estadual do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) Gilmar Mauro ressalta que os movimentos vão pressionar o governo a adotar o programa vencedor das eleições de 2014 e adotar uma agenda econômica de desenvolvimento e distribuição de renda. Dentre as pautas estão as reformas política, tributária e das comunicações, a taxação das grandes fortunas, o fim do ajuste fiscal e a retomada dos programas sociais, que já vêm sendo colocadas pelos movimentos desde o ano passado.

“Evidente que do ponto de vista legal há uma busca do governo em mobilizar 180 votos no Congresso e depois reorganizar o governo. Mas também é preciso ressaltar que a mobilização dos movimentos sociais e centrais foi determinante para evitar retrocessos. Nós não estamos aqui colocando ‘tudo bem, vamos lutar contra o golpe’. Nós queremos ser ouvidos por esse governo. E as nossas pautas precisam ser ouvidas”, explicou Mauro.

Veja as fotos publicadas nas redes sociais:

Da Redação
Com Rede Brasil Atual

Comentários


SIGA-NOS

Todos os direitos reservados - Proibida reprodução total ou parcial deste site sem aviso prévio

Copyright © 2017 - ExpressoPB - CNPJ: 10.962.007/0001-48