domingo, 22 de abril de 2018
SIGA-NOS

Sergio Moro deflagra Xepa, a fase 26 da Lava Jato; Lula não é alvo

Publicado em terça-feira, Março 22, 2016 · Comentar 

5e56aa8a738e994857b2a701a7fe6c8d_PF_PatosUm dia depois de prender o lobista Raul Schmidt em Portugal, o juiz Sergio Moro, do Paraná, deflagrou uma nova fase da Operação Lava Jato, batizada como Xepa.

Aparentemente, é uma referência a informações que teriam sido prestadas por Mônica Moura, esposa do publicitário João Santana.

Cerca de 380 policiais federais cumprem 110 ordens judiciais nos estados de São Paulo, em Brasília, Santa Catarina, Pernambuco, Minas Gerais, no Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Piauí e na Bahia.

“Tendo em vista que, em decorrência da análise de parte do material apreendido, descortinou-se um esquema de contabilidade paralela no âmbito do Grupo Odebrecht destinado ao pagamento de vantagens indevidas a terceiros, vários deles com vínculo direto com o poder público em todas as esferas”, informa nota da PF.

Viaturas da Polícia Federal passaram pelo hotel Golden Tulip, em Brasília, onde se hospedam vários políticos.

“Há indícios concretos de que o Grupo Odebrecht se utilizou de operadores financeiros ligados ao mercado paralelo de câmbio para a disponibilização de tais recursos”, diz a PF.

Integrantes da força-tarefa da Lava Jato devem dar entrevista coletiva às 10 da manhã.

Leia abaixo a reportagem da Agência Brasil sobre o assunto:

Da Agência Brasil

A Polícia Federal deflagrou, na manhã de hoje (22), a 26ª fase da Operação Lava Jato com foco no grupo Odebrecht. Chamada Xepa, a operação é um desdobramento da 23ª fase e desvendou um esquema de contabilidade paralela no âmbito da empreiteira, para pagamento de vantagens indevidas a terceiros, “vários deles com vínculos diretos ou indiretos com o poder público em todas as esferas”.

As investigações mostram que houve pagamento em espécie a terceiros, indicados por altos executivos do grupo Odebrecht, em várias áreas de atuação do grupo. De acordo com nota da PF, “há indícios concretos de que o Grupo Odebrecht se utilizou de operadores financeiros ligados ao mercado paralelo de câmbio para a disponibilização de tais recursos”.

As investigações envolvem cerca de 380 policiais federais que cumprem 110 ordens judiciais nos estados de São Paulo, Rio de janeiro, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Bahia, Piauí, Distrito Federal, Minas Gerais e Pernambuco. Estão sendo cumpridos 67 mandados de busca e apreensão, 28 mandados de condução coercitiva, 11 mandados de prisão temporária e 4 mandados de prisão preventiva.

Da Redação
Com Brasil247

Comentários
Tags :


SIGA-NOS

Todos os direitos reservados - Proibida reprodução total ou parcial deste site sem aviso prévio

Copyright © 2017 - ExpressoPB - CNPJ: 10.962.007/0001-48