ExpressoPB

Após repercussão nacional, roubo de água do Canal da Redenção volta a ser denunciado


20160320080914-Canal-RedençãoA cerca de um mês, reportagens nacionais denunciavam o roubo de água do Canal da Redenção, na região de Sousa, Sertão do estado. Em matéria do Fantástico, da rede Globo de Televisão, foi relatado que o consumidor só recebe metade da água que sai da fonte pois a outra metade é roubada no caminho. Grandes empresários e políticos da região foram os acusados de realizarem os desvios para irrigação de plantio de cocos em fazendas particulares nas várzeas do município.

Leia também: À EXPRESSO, Dra. Lígia diz: “Dá vergonha a gente ver uma PB na mídia nacional com escândalos de corrupção”

Mas, ao que tudo indica, mesmo após as denúncias, os desvios continuam. Segundo agricultores da região pelo menos oito empresários estão se beneficiando da água irregularmente e a fiscalização é insuficiente.

Com 37 quilômetros de extensão, o canal foi construído há mais de 20 anos retirando água do Açude Mãe D’água, em Coremas para irrigar 181 propriedades na região de Sousa, mas, de acordo com auditorias realizadas pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE-PB) em 2013, nesse percurso, antes de chegar aos agricultores do perímetro Irrigado das Várzeas de Sousa (Dpivas), a água é desviada. O TCE revelou que foram encontrados mais de 120 pontos de utilização do canal sem autorização.

Após a repercussão nacional, os agricultores da região disseram que a Agência Executiva de Gestão das Águas do Estado da Paraíba (Aesa) prometeu se reunir para debater os casos, mas até a última sexta-feira (18) nada foi agendado. Ainda de acordo com os agricultores o roubo acontece em períodos opostos aos que a Aesa faz o monitoramento no Canal.

O presidente da Aesa, João Fernandes, afirmou que os desvios estão sendo combatidos e disse ainda que os agricultores precisam reportar à Aesa as suspeitas. Ele também informou que o órgão mantém fiscalizações e que até ações surpresas já foram realizadas durante à noite para coibir os desvios. João Fernandes ainda cogitou a possibilidade do relatório do TCE estar defasado, já que foi finalizado em 2013.

Da Redação
Com PBAgora

Comentários

Artigos relacionados

Leave a reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *